5 aspetos a considerar na migração de um website

5 aspetos a considerar na migração de um website

Migrar um website pode parecer uma tarefa complexa, mas com as nossas dicas, vais poder enfrentar os desafios da migração e garantir uma transição suave e bem-sucedida!

Seja para melhorar o desempenho, atualizar a plataforma, ou até mesmo mudar de hospedagem, a migração exige um planeamento cuidadoso para evitar problemas como perda de dados e tráfego ou falhas na funcionalidade.

Neste artigo, vamos explorar cinco aspetos essenciais que deves considerar na migração do teu website.

Existem vários motivos pelos quais podes querer ou ter a necessidade de migrar o teu site, dentro deles estão:

Esta última, pode ser uma das tarefas mais desafiadoras e mais assustadoras para um Especialista em SEO, tendo em conta que os riscos são muito altos e as “armadilhas” estão por todo o lado.

1- Estás pronto para a migração? Antes, descarrega tudo!

Uma das primeiras preocupações é verificar se a versão antiga do site está ou não, devidamente documentada.

Estas são algumas das maneiras para documentares o site:

  • Descarrega o banco de dados e guarda-o em pelo menos dois locais.
  • Descarrega todos os arquivos do site.
  • Rastreia o site, guarda o rastreamento e exporta-o como um mapa do site CSV ou XML.

Um aspeto importante a considerar no download de arquivos por FTP (File Transfer Protocol) é que existem dois formatos para download de arquivos: ASCII (American Standard Code for Information Interchange) e Binário.

  • Usa o ASCII para descarregar arquivos que contenham código, como CSS, JS, PHP e HTML.

  • Usa o binário para media como imagens, vídeos e arquivos zip.

Felizmente, a maioria dos softwares FTP modernos possuem uma configuração automática que deve ser capaz de distinguir entre os dois tipos de arquivos. Um aspeto menos agradável que pode acontecer é descarregares arquivos de imagem com o formato ASCII, o que resulta em imagens corrompidas.

Portanto, verifica sempre se todos os teus arquivos foram descarregados corretamente e se não estão corrompidos.

Fica atento e descarrega sempre uma cópia, mesmo tendo contratado um terceiro para cuidar da migração ou mesmo que seja o cliente a tratar disso.

Dessa forma, caso falhem no download, terás na mesma um backup de uma cópia não corrompida.

No entanto, a regra mais importante sobre backups: Nunca são demais!

2. Rastreia o site

  • Faz um rastreio completo do site;

  • Cria um backup desse processo;

  • Cria um backup do backup;

  • Armazena-o num disco rígido separado.

Após a migração do site, esses dados podem ser usados para gerar uma nova lista para rastrear os URLs antigos ou para identificar quaisquer URLs que estejam em falta, que não estejam redirecionados ou que estejam a enviar para a página errada.

Screaming Frog também possui um modo de lista que pode rastrear uma lista de URLs salvos em diferentes formatos, como um mapa do site XML, e inseri-los diretamente num campo de texto.

Esta é uma maneira de rastrear um lote específico de URLs, em vez de rastrear um site de um link para outro.

3. Faz a migração para um novo modelo

As reformulações de sites podem ser uma grande fonte de angústia quando não correm bem!

Na teoria, a migração de um site para um novo modelo deveria ser uma mudança individual com problemas mínimos, porém, na prática, nem sempre é esse o caso.

Por um lado, nenhum modelo pode ser usado imediatamente, pois deve ser modificado para se adequar ao que é necessário, o que pode significar remover e/ou alterar o código.

Verificar se todas as imagens têm o mesmo URL, texto alternativo e títulos de imagem, especialmente se estiveres a usar novas imagens, são alguns conselhos úteis.

Às vezes, os modelos têm elementos de cabeçalho codificados, especialmente no rodapé e nas barras laterais. Eles devem ser estilizados com CSS, não com tags H.

Certifica-te de que todos os URLs sejam exatamente iguais. Além disso, se estiveres a planear alterar o conteúdo, verifica se o ambiente de teste não foi indexado e, depois que o site entrar no ar, certifica-te de que o site ativo recém-carregado não contenha mais a meta tag noindex robots.

Se alterar o conteúdo, prepara-te para que o site seja reavaliado pela Google. Dependendo do tamanho do site, mesmo que as alterações sejam positivas, a recompensa pode levar várias semanas e, em alguns casos, vários meses.

Nota importante: o cliente precisa de ser informado disso antes da migração!

Contudo, verifica se os códigos analíticos e de rastreamento foram inseridos no novo site, vai alterando todos os tamanhos de imagem para garantir que não haja novas imagens enormes e que não tenham sido reduzidas.

4. Faz a migração para um novo host

Antes de fazer  a migração, faz um rastreamento minucioso do teu site para identificar quaisquer problemas técnicos de indexação ou SEO antes da mudança.

  • Manter a estrutura do URL (se possível): Alterar as estruturas do URL pode confundir os mecanismos de pesquisa e prejudicar o valor do link.

  • Redirecionamentos 301: Os mecanismos de pesquisa precisam de ser informados que o teu conteúdo antigo agora está em um novo endereço. A implementação de redirecionamentos 301 de quaisquer URLs antigos para seus novos equivalentes preserva o valor do link e evita erros 404 para utilizadores e rastreadores de mecanismos de pesquisa.

  • Otimização de desempenho: Garante que o teu novo host fornece uma experiência rápida e confiável. A velocidade do site é importante para a experiência do utilizador, como podes ver neste artigo.

  • Certificado SSL: Um aspeto crítico, mas às vezes negligenciado, das migrações de hospedagem é a configuração do certificado SSL. É vital garantir que o teu novo host suporte e implemente corretamente o certificado SSL, existente ou forneça um novo sem causar erros. Neste artigo, explicamos-te as 5 razões para instalares o certificado SSL.

Executa uma análise final do teu novo site antes de fazer a transição real. Verifica visualmente a página inicial, páginas de destino e os resultados de pesquisa mais populares. Analisa quaisquer fluxos de checkout/carrinho, cadeias de comentários/avaliações, imagens e links externos para os teus outros sites ou parceiros.

Após a migração, é crucial avaliar os tempos de resposta do servidor não apenas de um local, mas regional ou global, especialmente se o teu público for internacional. Às vezes, uma nova plataforma de hospedagem pode apresentar ótimo desempenho numa área, mas ficar atrás noutras partes do mundo.

Essas discrepâncias podem afetar o tempo de carregamento da página, influenciando as taxas de rejeição e as classificações de pesquisa!

5. Aceita as limitações!

Não ter acesso a um DNS, ser impedido de usar o nome de uma marca ou determinado conteúdo, ter que usar um domínio intermediário e ter que trabalhar dias, semanas ou meses depois para resolver quaisquer problemas depois que a situação interna do negócio mudou, são apenas alguns dos problemas complicados de migração que encontrei.

A melhor maneira de lidar com essas situações que exigem contornar as restrições do cliente é controlar as tarefas de SEO que podes controlar, definir expectativas honestas sobre como os problemas de negócios podem afetar o desempenho após a migração e ficar atento ao monitorizar os dados pós-lançamento e usá-los para defender os recursos necessários para concluir o trabalho.

Em suma, migrar um site exige uma preparação meticulosa e atenção aos detalhes. Os cinco aspetos abordados – PreparaçãoRastreamentoMigração de modeloEscolha de hospedagem e Aceitação de limitações – são cruciais para uma transição bem-sucedida. Seguires orientações de especialistas em SEO e antecipar desafios, como mudanças na estrutura de URL e otimização de desempenho, é fundamental.

Se precisas de ajuda para migrares o teu website, podes contar com a ajuda da equipa de especialistas web da BOOMER !

Vê mais artigos deste Autor

Jorge Silva

Digital Marketing Intern
Falar no Whatsapp
Vamos conversar? 💬
Olá! 👋
Podemos ajudar?