maio 05

Rebranding: repensa a tua marca

Como vimos anteriormente n’O raio do blog, o branding pode ser visto como uma gestão de marca que cria conexão com as pessoas, como uma estratégia que consegue gerar emoções e tornar a marca memorável. Essa estratégia envolve vários elementos como o nome, a identidade visual, o posicionamento de uma marca, etc.

Uma agência de marketing como a BOOMER pode ser essencial no planeamento dessa estratégia. Mas, com o tempo, surgem sempre novos desafios, novas tecnologias, e o próprio comportamento de compra por parte do consumidor sofre alterações. Quando se percebe que os resultados não estão a melhorar, começa a ser altura de pensar num rebranding.

O que é o Rebranding?

A evolução é inevitável. Eventualmente, todas as empresas irão precisar de se reposicionar no mercado, seja para se adaptarem às novas tecnologias, ao consumidor, a novos produtos ou a diferentes serviços. Nesse sentido, o rebranding consiste em dar um novo significado à imagem de uma empresa e tem como objetivo alterar a perceção do público relativamente à marca. Por outras palavras, estamos a falar de simbolismos.

Um rebranding acaba por ser um processo natural, até porque existe sempre um amadurecimento da marca, e é normal que esta já não seja sempre vista da mesma forma.

O que o Rebranding não é? 

Por vezes, o rebranding pode ser confundido com o restyling.

Numa estratégia de rebranding, são levadas a cabo modificações de grande dimensão, pelo que esta tem um caráter estratégico e, em alguns casos, pode até contemplar uma mudança de nome.

Já no restyling, estas modificações consistem mais numa atualização do logo, normalmente realizado em várias fases, e com alterações quase impercetíveis para não se correr o risco de deixar de ser reconhecido.

Por isso, e antes de realizarmos qualquer tipo de modificação, devemos ter em conta os motivos pelos quais consideramos qualquer uma das hipóteses e também a forma como o queremos implementar.

Razões que podem levar a um Rebranding

São vários os motivos pelos quais faz sentido optar pelo rebranding, tais como:

  • Atualização da imagem corporativa (para apelar a um mercado mais jovem, por exemplo): o tempo pode tornar a identidade da marca antiquada, mas o rebranding não significa necessariamente que a identidade da marca deve refletir as tendências mais atuais;
  • Mudança e/ou expansão da área de negócios: se a empresa vai abranger uma nova área ou expandir as linhas de produtos, o rebranding torna-se essencial para evitar problemas de coerência com a marca atual e para garantir a eficácia da mensagem a passar;
  • Mudança de estratégia: quando muda a estratégia da empresa, é imprescindível que a marca mude também. Ela torna-se num símbolo dessa transformação e faz com que a empresa acompanhe a mudança, tanto internamente como externamente;
  • Reposicionar a empresa e a sua visão: quando surge uma nova preocupação, como a sustentabilidade, por exemplo;
  • Diferenciar a empresa dos seus concorrentes.

 Qualquer que seja a razão, é preciso saber qual o momento adequado para se reposicionar no mercado e, chegada essa altura, é preciso ter em conta também todas as mudanças a que isso irá levar.

Como fazer um Rebranding

Antes de tomares qualquer decisão quanto à identidade e estratégia da tua empresa, começa por procurar entender quais são as necessidades do teu público-alvo. É imprescindível obter um diagnóstico completo para poder optar por uma estratégia que faça sentido e que corresponda às expectativas, por isso, não hesites em contactar uma agência de comunicação como a BOOMER para te ajudar neste processo que poderá envolver, entre outros aspetos:

  • Mudar da identidade visual: a identidade visual está relacionada com tudo o que chega aos olhos do público, ou seja, a paleta de cores, logótipo, mascote, design, entre outros elementos. Se a tua empresa já não parece coincidir com os objetivos e estratégia inicial, ou mesmo com o consumidor, é possível fazer uma mudança na identidade visual sem perder a essência;
  • Decidir em que canais colocar a marca: coloca a marca em canais de comunicação relevantes, seja pela comunicação impressa, seja pelos meios digitais. É importante criar alguma expectativa no público nesta fase. Por isso, investe um pouco em Marketing Digital, em ações que criem curiosidade no público e que o faça procurar saber mais;
  • Monitorizar o público: o mais importante é apresentar as novidades, mas é preciso também estar atento às mudanças e perceber como o consumidor irá reagir aos novos conteúdos. Traça objetivos quantificáveis para medir a performance. No entanto, é de salientar que pode ser necessário algum tempo de absorção por parte do consumidor.

Tipos de Rebranding

Nem todos os processos de rebranding são iguais. Existem vários tipos que podem mudar completamente a imagem da marca, e outros que o fazem apenas em parte.

  • Rebranding parcial: ocorre quando uma marca não altera por completo as características que a identificam, mas apenas alguns elementos. Desta forma não há uma desassociação completa da essência da marca;
  • Rebranding evolutivo: refere-se às pequenas mudanças que são feitas ao longo do tempo. Neste caso, as pessoas vão-se habituando às pequenas alterações, e muitas vezes, são tão subtis que nem sequer reparam nelas;
  • Rebranding radical: aqui acontece uma mudança por completo do branding da empresa, e até é possível que haja, inclusivamente, uma mudança do próprio nome e/ou logótipo.

Rebranding nem sempre é recomendado

Quando a empresa quer mudar o branding sem qualquer motivo, tal pode ser mais prejudicial do que benéfico. É preciso ter em conta que existem outras estratégias de marketing que podem ser mais eficazes como, por exemplo, o marketing de conteúdo.

Se a empresa procura disfarçar alguma polémica, utilizar o rebranding não é aconselhável porque o público pode entender isso como uma fuga de responsabilidade.

Se for apenas para chamar a atenção e atrair público, vai ter um efeito temporário e terá pouco impacto nas vendas porque, na verdade, não existe nenhum motivo plausível por trás da mudança.

 

A marca da tua empresa é um processo em constante mudança, com uma adaptação permanente, e o rebranding é um processo natural de evolução, essencial a todas as marcas que querem crescer. Se já percebeste que a tua empresa precisa de um rebranding chegaste ao sítio certo. Estás pronto para mudar a imagem da tua marca?

 

 

 

Classifique este item
(1 Vote)

ARTIGOS RELACIONADOS